GirlBoss – Não é tão fácil assim

girlboss

Há dois anos atrás, em meio um turbilhão de problemas, me caiu no colo a oportunidade de ter meu próprio negócio. Ganhei um saco de coisas de minhas amigas e dei meu primeiro passo em direção à minha liberdade. Ledo engano quem pensa que é moleza. Ledo engano de quem pensa que é uma delícia ficar sem saber se vai conseguir vender, se é mole levar calote, se é divertido não saber se as contas vão fechar no fim do mês.

Porque o mês, para quem trabalha por conta própria, nunca tem fim.

Montei meu brechó, vendo, por meio de marketplaces, redes sociais e tenho minhas clientes fiéis. Atendo na minha casa para algumas clientes VIP. Isso não é tudo. Eu faço cursos de gestão, contabilidade, recolho fisco, declaro imposto, tenho cnpj e cuido de tudo como um negócio real. Porque é meu negócio. É isso que eu faço: Bazar é minha vida. Estou ligada em oportunidades, pessoas, eventos, todo o tempo.

Comprar e vender, não é uma modinha pra mim. Comprar e vender é uma coisa séria. Prazo, apresentação, embalagem, qualidade. Eu cuido com cuidado do que estou apresentando, com o carinho de quem está recebendo. Porque eu recebo das minhas clientes o mesmo amor com o que entrego minhas peças.

Assistindo a série Girlboss no Netflix, me pareceu muito fácil ter um negócio de brechó, mas não é. Você tem que ir atrás do cliente, não é fácil como nos Estados Unidos, viver de brechó no Brasil. Mercado superlotado por pessoas sem qualificação e sem preparo que vêem no ramo somente uma oportunidade na crise. E também nos deparamos com pessoas preparadas que estão no ramo há muito tempo e que já conquistaram seu espaço. É entre essas pessoas que eu quero estar.

Eu, não preciso, nesse momento da minha vida de ninguém que seja um degrau pra mim, porque eu consigo subir sozinha, mas ter parceiras para concretizar essas ambições é maravilhoso.

Quando começar um negócio, pesquise. Informe-se, qualifique-se, prepare-se. Conhecimento nunca é demais. Ter um negócio é preciso dedicação e persistência. Eu espero ter muito mais anos de história com o meu brechó. Mas fácil? Fácil não é!

Como fazer uma pausa no trabalho

Amanhã é greve geral. E eu aqui morrendo de tédio. Cheguei ao ponto da minha vida, que só estou tranquila quando estou enlouquecendo de trabalho. Sei que preciso pegar leve, relaxar. Mas trabalho por conta, mato um leão por dia. Não consigo me dar ao luxo de esperar um dia passar para pensar em uma nova possibilidade, em uma nova negociação, em uma outra forma. Estou em Constante planejamento. 

Uma pausa para o café, é motivo para vislumbrar uma nova ideia, uma nova conexão para uma transação, um novo negócio. Enfim. Uma hiperatividade tão gigante, que num fim de dia de chuva, onde não há muito o que fazer, eu fico assim. Carente de trabalho. 

Não que eu não tenha o que fazer, mas é que sentar e assistir uma tv, me parece tão relaxante que não me atende. Quero estar em movimento, buscando, criando coisas. Sinto como se estivesse levemente procrastinando. Mesmo sendo​ minha própria chefe. Não me permito relaxar, tenho medo de amolecer. É preciso produzir, fazer, vender.

Mas o que se há de fazer. Vou aproveitar esse tempo para o ócio criativo. E traçar novas metas, novos planos B. Porque a gente pode não ter grana, mas conhecimento, vai se buscando.

Ah, essa minha vida empreendedora maravilhosa. #vida #trabalho.

Acredite em você e seja feliz!

Pela primeira vez na minha vida estou totalmente convicta da minha decisão!

Trabalhar com o que gosta, amar o que se faz é um fator muito importante para a felicidade. E é isso que todos buscam, no final das contas. Ser feliz! Hoje, eu sou brecholeira!

Eu sempre acreditei nesse meu sonho, mas nunca tive garra suficiente para investir bravamente nisso. Mas as adversidades me deixaram mais forte! Antes, eu acreditava muito que só conseguiria controlar meu dinheiro se trabalhasse de carteira assinada. Tinha dificuldade de juntar dinheiro se ele chegasse a conta gotas.

Hoje, meu dinheiro pinga de R$5 em R$5 reais e consigo administrar bem, pagar as contas e alimentar meus sonhos e meus filhos.

Existem várias formas de conseguir satisfação profissional. Estudando para um concurso, sendo promovido, atuando com seus conhecimentos de ofício ou dando vazão ao que acredita. No meu caso foi isso. Aliei a necessidade com a oportunidade e consegui investir em uma coisa que sempre quis fazer, que é trabalhar com brechó.

Ouvi muitas pessoas do ramo, aprendi a conseguir boas mercadorias e juntei o meu jeito particular de trabalhar e tem dado certo. Porque “sonho que se sonha só, é só um sonho que se sonha só. Mas sonho que se sonha junto é realidade”. Como diria Raul Seixas. E só com a ajuda dos amigos, que ainda hoje me dão maior força nesse projeto pessoal, que me sustenta e gera renda para mim e meus filhos, é que consegui chegar onde estou. E digo: vou ainda mais longe!

Eu encorajo qualquer pessoa a seguir o que acredita. E se não der certo, tente de novo. Porque é disso que é feita a vida: Tentativas! Temos uma grande perspectiva de vida, para que durante nossa trajetória, possamos errar e acertar e assim, evoluirmos sempre.

A dona do bar

539693_424518710956094_923799176_nEla não tinha o que fazer, só tinha uma familia pra cuidar, mas ela queria ser dona, ela queria ser a dona do bar.

Pois é, eu andava entediada de só lavar, limpar e cozinhar pro meu marido e meus 4 filhos, eu queria um desafio maior, eu queria ser dona! Daí, conversando com meu marido, tivemos várias idéias e resolvemos abrir um bar! Agora, além de fazer tudo que eu fazia, eu também tenho um bar e trabalho nele. E cá estou eu à frente de um bar. Sentindo a dor e a delícia de estar atrás de um balcão, ouvir histórias, vejo as pessoas sorrindo, se divertindo, algumas reclamando outras contando da vida. Risos o tempo todo.

Eu trabalhei a minha vida toda. Nunca viajei, nunca fui a lugares muito badalados, e até tenho boas lembranças mas a maioria são ruins. Mas agora, a minha vida começa a tomar outro rumo, e ter um outro brilho. Ter um bar, ter um negócio é a a coisa mais surpreendente e fantástica que eu já fiz na minha vida. É um esforço diário para manter as coisas funcionando, é lidar com as mais diversas adversidades , as mais diversas personalidades, sóbrias ou não. Ser comerciante é antes de tudo uma atividade infinitamente desafiadora.

Sempre contei coma  segurança de um salário, nunca atrasei uma conta e agora, arrisco muito a minha “segurança” para obter mais, e nem sempre dá certo. Ousar não é uma atitude puramente minha, a maioria das decisões ousadas não partem de mim. Meu sócio ( meu marido) sempre arrisca muito mais.  Mas eu sou a rocha, a segurança, ou seja, uma parceria na medida certa.

Conheço muitas pessoas, tento ser mais simpática do que sou habitualmente, e faço um enorme esforço para me enturmar, mesmo não tendo nenhum talento para isso. Enfim, ser dona de bar é o maior desafio que eu tenho hoje. E eu até que estou me saindo bem.

Visite!

Sustentabilibar

Rio Franchising Business 2011

Se você esta querendo expandir seus negócios ou está  super afim de mandar seu patrão ir passear e abrir seu próprio negócio, está acontecendo aqui no Rio de Janeiro a Rio Franchising Business 2011, uma feira de negócios, para que você possa conhecer novas tendências de mercado ou expandir sua rede de negócios. A feira acontece de hoje 15 a 17 de setembro no pavilhão 2 do Ricentro e é uma das maiores feiras de negócios recebidas pelo Rio de Janeiro.

A feira será uma ótima oportunidade para franqueados e franqueadores, contará com palestras que tratarão de temas como Franquias, Sustentabilidade e Comunicação.

Se você se interessou, ainda dá tempo de participar, clica no link e faça seu pré-cadastramento!

Eu não falo inglês

Ah, quer saber: Hoje vou abrir o verbo!

Eu fico aqui, lendo milhares de textos sobre grandes empresas, sobre utilização mídias sociais, em como se comportar no ambiente corporativo, sobre produtividade, sobre as 10 melhores empresas para se trabalhar, sobre competitividade e empreendedorismo e etc e etc. Mas vou colocar o pé no chão agora: Quem sou eu?

Eu não falo inglês, no máximo traduzo algumas frases pra não fazer feio, entendo o que falam mas só sei responder em português…e de que isso adianta? Só dá pra fazer prova de vestibular e olhe lá!

A quem eu estou enganando? Adoro ler sobre empreendedorismo, mas não sou ousada nem para escolher um novo programa de tv, vejo sempre os mesmos.

Pode ser que isso seja o maior queima filme da história, mas cá estou eu lendo uma matéria sobre geração Y quando de repente eu olho em volta: Ao meu redor um monte de tabuleiros com docinhos, na minha cabeça uma touca e no meu corpo um avental. Eu faço docinhos e bolo por encomenda. É isso que eu faço!

Nas empresas que eu trabalhei ninguém nem sabe o que é seleção por competências, ninguém nem sabe o que é competência, rs. A maioria dos chefes que eu tive (90%) tinham a escolaridade menor que a minha, e na maioria das vezes gritavam tanto que eu nem entendia o que era pra fazer, tinha que adivinhar. Por muitas vezes meu trabalho era mais servir cafezinho do que usar a mente. O bom é que com isso, fui treinada a me colocar no meu lugar. Sempre achei que fui mal aproveitada, mas também, com ensino médio, quer o quê? Meu próximo emprego vai ser balconista da pastelaria. Sem desmerecer o pasteleiro. Não adianta você saber fazer alguma coisa, se ninguém te der um certificado dizendo que você faz, não serve pra nada!

Bem que eu queria usar um sapato escarpin e uma calça de linho todo dia, e trabalhar no ar condicionado, receber um monte de ligações importantes mas por enquanto só quem me liga é a NET e o meu namorado.

Não sei porque eu insisto em estudar as matérias que eu estudava quando eu fazia Administração se eu vou voltar a estudar na UEZO. Tecnologia na Produção de Polímeros (nada a ver, né). Eu enganei vocês o tempo todo, eu sou é boleira! (Meu amigo Beto essa hora tá morrendo de rir).

Tá, eu vou continuar assim mesmo a ler tudo sobre geração Y ou W ou sobre tendências de investimentos porque eu nunca vou perder a esperança de ser uma nobre executiva com tantos compromissos que nem vou mais lembrar o que é novela, mas por enquanto, eu fico aqui, assistindo Management TV e enrolando docinho, totalmente antenada no mercado de franchising e mergulhada nas apostilas no meu tempo vago!

#prontofalei

Lançamento do livro: Histórias dos verdadeiros campeões de vendas

Acontecerá amanhã, na Saraiva MegaStore Ouvidor, na Rua do Ouvidor,98A – Centro do RJ às 17h o lançamento do livro “Histórias dos verdadeiros campeões de vendas” e tarde de autógrafos com o autor Diego Maia.

Diego Maia já foi vendedor, representante comercial, supervisor, gerente e diretor de vendas. Hoje é presidente do CDPV (Centro de Desenvolvimento do Profissional de Vendas) e do RH VENDAS (Recrutamento e Seleção de Vendedores). Colunista da MPB FM, apresenta o programa semanal ‘Mundo Empresarial’ e dá dicas em dois boletins diários. Assina a coluna ‘Gestor de Vendas’ nos jornais Monitor Mercantil (RJ) e Monitor São Paulo; é membro do Conselho de Jovens Empresários da Associação Comercial do RJ, membro do Conselho Consultivo da ACESG – Associação Comercial e Empresarial de São Gonçalo (RJ) e detentor do Selo “Empreendedor Sustentável”, concedido pelo programa internacional LiveWire, com a chancela da UNESCO.