Não compre ovo de páscoa, compre barras de chocolate

Compre barra de chocolate! É muito mais barato.

Para as mães é muito complicado convencer a criança de que o ovo de páscoa é muito caro de comprar. Principalmente pelo apelo comercial que as marcas fazem ao incluir personagens que as crianças amam ao ovo de páscoa. Mas, para as crianças que querem o brinde do ovo fica mais fácil convencer, porque os ovos de personagens estão em média no valor de R$18 a R$25 reais, isso sendo comedido na hora de comprar. Mas se a criança quiser ovos da cacau show ou de marcas mais caras aí o valor sobe pra entre R$30 a R$50 reais.

Para as crianças  que querem personagens a dica é:

Compre um livro de pintar ou de leitura do personagem e barras de chocolate do sabor que a criança gosta. O valor vai ficar em torno de R$8,00, pois o preço do livro fica entre R$2 e R$4 e a barra de chocolate custa R$4.

Downloads4

 

Para crianças que querem o brinquedo a dica é:

Compre um jogo UNO, uma boneca pequena, um HotWeels, uma fofolete e uma barra de chocolate do sabor que a criança gosta. O valor total fica em torno de R$15. O brinquedo custa em torno de R$10.Downloads3

 

Para crianças que querem o ovo das lojas mais caras pelo chocolate a dica é:

Compre um pote de nutella pequeno e uma barra de chocolate do sabor que a criança gosta. O valor total fica em torno de R$ 18 . Dependendo do tamanho, o pote de Nutella custa em torno de R$12.Downloads2

Mas a melhor coisa é evitar levar as crianças às lojas e mercados nesse período que é para que não conheçam as novidades. O que os olhos não vêem o coração não sente. Ovo de páscoa é apenas um apelo comercial a se gastar mais grana. Eu sempre apoiei a sustentabilidade e a diminuição do consumo de supérfluos até para controle do mercado. Se a gente não pagar os preços abusivos, eles são obrigados a diminuir o preço, então vamos comprar barra de chocolate. Assim, os nossos filhos não vão passar a páscoa sem o querido chocolate e nós ainda vamos chegar na segunda-feira com o nosso rico dinheirinho.

o

 

Como entreter adolescentes sem dinheiro

Nosfa Paulista Pedro Ferpe Haniel Cabral de biciletaQuando eu era criança, com certeza meus pais nunca pensaram em olhar numa enciclopédia para obter essa resposta. As coisas eram naturalmente mais tranquilas. A gente ficava no quintal, remexia no chão e logo tinha uma idéia de como resolver isso. E fazíamos sozinhos, sem nossos pais. Hoje em dia as crianças ficam enchendo o saco em casa, ainda mais se cai o WI-FI. Ficam perguntando o que é que eles vão fazer. Nesse mundo tecnológico nem ha tanta dificuldade para responder essa questão se você tiver bons equipamentos tecnológicos em casa. Mas se rolar de faltar luz de dia, o que você vai fazer com duas “crianças” de 11 e 14 anos?

Depois de uma breve pesquisa sobre o assunto cheguei a conclusão de que eu nem precisava pesquisar. É só fazer com eles o que eu fazia com meus amigos quando tinha a idade deles. Conversar, e contar das brincadeiras da época, dos costumes. Andar de bicicleta, dar uma caminhada, falar da vida sem dar lição de moral, contando a minha trajetória que poderá ser bem semelhante a deles. As mesmas dúvidas, as poucas convicções, as mudanças de opinião tão comuns a um cidadão em formação.

Também não preciso de uma Wikipédia pra me dizer como distrair meus adolescentes. Somos pais mais amigos hoje do que em qualquer época. Somos companheiros, mas ainda somos bregas, ainda estamos por fora. Assim como nossos pais no nosso tempo. Carregando as mesmas incertezas de estar fazendo a coisa certa que tinham nossos pais.

E entreter as crianças vai se tornando mais gostoso do que uma partida de vídeo game, do que um chat no tablet.

Para crianças de todas as idades o site Vida Organizada elaborou uma pequena lista de como fazer atividades com pouca grana.

  1. Brinquem de pega-pega.
  2. Reciclem sucata e façam algum brinquedo divertido.
  3. Montem uma barraca com almofadas, lençóis e o sofá de casa.
  4. Leiam livros uns com os outros.
  5. Faça milkshakes.
  6. Montem um quebra-cabeça.
  7. Subam em uma árvore.
  8. Façam um churrasco em família.
  9. Joguem bola.
  10. Tentem adivinhar as formas das nuvens no céu.
  11. Vejam ábuns de fotografia antigos.
  12. Passeiem em um parque. Que tal um piquenique?
  13. Joguem vídeo-game juntos.
  14. Coloquem uma música bem alto e dancem como se ninguém estivesse olhando.
  15. Construam castelos de blocos ou brinquem de Lego.
  16. Tomem sorvetes em alguma sorveteria do bairro.
  17. Andem de bicicleta.
  18. Façam música juntos! Usem instrumentos como panelas e copos.
  19. Preparem um bolo e melequem a cozinha!
  20. Visitem um museu.
  21. Procurem insetos no jardim.
  22. Desenhem e pintem uma tela.
  23. Plantem alguma plantinha em casa.
  24. Brinquem de escolinha.
  25. Lavem o carro e brinquem com a mangueira.
  26. Gravem um vídeo para enviar para os avós.
  27. Dancem juntos!
  28. Caminhem pelo bairro.
  29. Joguem algum jogo de tabuleiro ou de cartas.
  30. Assistam um filme e comam pipoca.

Quando eu tinha 14 anos eu não tinha idéia de futuro. Aos 33 ainda não tenho.

Mãe aos 30 e uns

1925233_659513590753869_1203668324_n

Depois de passado a recuperação do parto, tenho experimentado uma das melhores sensações do mundo: a de ser mãe. Sei que já fui mãe, mas é uma nova sensação de amor, cercada dos outros filhos e do meu marido. Parece que a palavra amor ganha um real sentido. O sentido de família, o sentido de um elo que não se rompe.

Engraçado como as coisas boas se aproximam de nós quando a gente se sente bem. Tenho recebido várias manifestação de afeto de pessoas queridas, tenho encontrado várias pessoas, tem acontecido várias trocas de amor, de idéias, de emoções.

Acho que aos 33 anos posso dizer que cheguei ao ápice da minha felicidade!

1497330_659847314053830_1805226829_n

Como falar de preconceito com seus filhos

296849_424394710939869_995223955_n

Meu filho saiu de manhã para comprar pão e cumprimentou um homem negro de manhã: –Bom dia! e uma criança de 6 anos que o acompanhava disse: – Não fale com essa pessoa negra, ele é sujo!

Meu filho chegou em casa e falou: –Mãe, você precisa conversar com ela sobre preconceito!

Achei bom o meu filho ter uma grande noção do que é ter preconceito. Mas infelizmente fiquei muito mais chocada de ver como o preconceito está perto de nós. Porque é muito triste ver uma criança de 6 anos, que não tem nem noção de conceito, ter um comportamento assim. Se é dessa forma é porque ainda existe um adulto por trás que incute nessa pequena pessoa valores preconceituosos e sabe-se lá quais outros valores deformados que, definitivamente, nossa sociedade não precisa.

Eu quero um Brasil para meus filhos melhor do que eu encontrei, e encerrar com o preconceito, em qualquer tipo de segmento, seja por pessoas negras, obesas, deficientes ou com uma condição social menor é pra mim uma prioridade.

Eu falo com meus filhos sobre preconceito da melhor forma possível:

Falando a verdade: Somos todos seres humanos. Assim como existem cães de várias raças, existem humanos de várias raças. Nenhum cão é melhor que outro, nenhum ser humano é melhor que outro. Todos os cães que se destaca é por conta de um empenho ou talento que todos tem condição de desenvolver, e com os seres humanos é a mesma coisa. Todos os seres humanos, tem condições iguais de desenvolver seus talentos. Nenhum é mais que outro e sim com características diferentes.

Se não bastar esse argumento, aqui tem uma cartilha de como tratar sobre preconceito com seus filhos. O que não pode é deixar esse mal se alastrar como uma doença. É tão contagioso o quanto.

Aqui tem um link com o Playlist com as chamadas da campanha contra o preconceito.

O dia 21 de março marca o Dia Internacional de Luta pela Eliminação da Discriminação Racial. E é inaceitável que no ano de 2013, os adultos ainda ensinem às crianças que somos diferentes, mesmo num país tão miscigenado e com uma história como a nossa.

Para ver: (E descontair, se for possível)

preconceito, racismo, dia internacional, diversidade, racial, discriminação

10 anos de felicidade

Downloads1

Hoje fazem 10 anos que minha vida mudou para sempre.

Começou com um enorme mal estar, um enjôo inacabável que perdurou por todo o processo da sua formação. Foi uma época onde aprendi (á  força) a ser mais humilde, a ser mais branda e compreensiva.Por sua conta eu aprendi uma das coisas que mais me vale hoje: aprendi a compreender a dificuldade das pessoas, que cada pessoa tem uma história e que essa história é que determina a forma que ela vê o mundo, e que a gente tem que ser compreensivo com as dificuldades e facilidades do outro.

Daí, depois de ver meu corpo ficar imenso, de ter tido várias sensações diferentes e inusitadas como sentir você nadar dentro de mim,você chegou.Eu olhei pra você, me emocionei e com o tempo fui começando a te amar…até o dia em que eu me apaixonei por você, perdidamente.

E eu encontrei em você o companheirismo que eu nunca tinha tido e que eu procurava. E tava bem ali, pertinho. Agora, e sempre, você émeu grande companheiro, meu amigo de aventuras. É com você que eu gosto de conversar e contar coisas do nosso mndo nerd que só a gente entende. É pra você que eu quero ser uma pessoa melhor, é com você que os passeios são divertidos, sem você a minha vida não tem nenhum sentido, nenhuma graça.

Filho, você é a minha historia de amor mais bonita, e é você que eu quero fazer feliz até o dia em que você encontrar o seu próprio caminho, e sei que vai escolher o caminho certo, porque você sempre faz boas escolhas.

Há 10 anos você entrou na minha vida e deu todo sentido a ela, me deu uma missão, me deu um objetivo. Filho, eu te desejo muitas felicidades, porque você merece o mundo inteiro de grandes alegrias!

Tudo que quero conquistar é com você, por você e pra você. Te amo!

Sobre a avó que eu escolhi

Cada um tem uma avó. Mesmo que essa avó já seja falecida, ou que esteja distante, ou que seja apenas uma história. Mas avó é como mãe, cada um tem uma. Toda avó é um plus da mãe? Há controvérsias. Eu não fui muito afortunada com a minha avó. Existem muitas histórias e mágoas que existem que guardei numa caixa dentro de mim e não gostaria de mencionar. Mas para compensar isso, sempre tive na minha vida muitas avós que amo. Porque quem teve na sua infância a Dona Benta como referência, criou em seu interior um ideal de avó. Todo mundo sonha com uma avózinha doce, que prepare um lanche gostoso, que seja o colo, que tenha um abraço reconfortante e que seja a figura da brandura.

Como minha avó não é assim, tem uma avó em especial que meu coração enche de felicidade quando me lembro do seu sorriso. A avó Terezinha.

Todas as expectativas que eu poderia ter em uma avó eu encontrei nela. Ela, na verdade, é avó de um grande amigo meu: o Aruanã. Mas nada me impede de adotá-la, porque no coração de uma avó sempre cabe mais um. Houve um tempo na minha vida onde as coisas eram muito nebulosas, e a felicidade ainda era um doce que eu não podia comprar. Mas eu nunca fui uma pessoa que deixasse a tristeza me abater por muito tempo e tempo para os meus amigos era o que não faltava.

Confesso que por muitas vezes  fui à sua casa com a desculpa de visitar o meu amigo, só para passar algum tempo com ela. A vovó Terezinha é a figura mais fofa das vovós. Sentia uma certa inveja quando via o carinho com que ela cuidava do Aru. Meiga e muito simpática, sempre me recebeu muito bem e sempre me oferecia minha fruta preferida: banana!

Conforme o tempo de visitar amigos com frequencia foi passando e cada um foi seguindo a vida que escolheu, fui me ausentando da sua compania, mas confesso que tenho imenso carinho, por essa senhorinha muito lindinha que eu adotei como minha vovó!

Para ouvir:

Sobre amor de mãe

Hoje, numa visita ao consultório do dentista, me deparo com uma reportagem numa revista Marie Claire sobre várias formas da maternidade. Acabou ocorrendo-me que também tenho uma forma variada de maternidade. Sou mãe solteira. E há pouco tempo acabo de me descobrir mãe emprestada de outras crianças. Casei-me de pouco com um pai solteiro de 3 crianças.

Para quem nunca esperava ter filhos e achava que um era demais, até que me saio muito bem com todos em casa. Sempre achei que ser mãe era um grande problema, mesmo só tendo um filho. Agora que tenho muitos, tenho que reconhecer que ser mãe, é sobretudo um enorme prazer. Cada filho com sua particularidade, seu jeito de demonstrar carinho, sua maneira de pensar, suas preferencias e sua forma de sofrer.  São pequenos adultos em formação. Por muitas vezes me peguei em oração pedindo amor de mãe, pedindo sabedoria para enfrentar a barra que é ganhar de uma hora pra outra essa grande responsabilidade. E ganhei!

Não importa como a maternidade chega, em algum momento você vai acordar de madrugada, olhar exausta para aquele rostinho indefeso e vai pensar “vale a pena”. Sempre vai encontrar nesse pensamento, um estímulo para dar o próximo passo, mesmo estando com o corpo cansado, mesmo morrendo de sono, uma mãe sempre vai levantar seu corpo cansado em socorro do seu filho, e por mais que por dentro sangre, uma mãe sempre vai se esforçar para esboçar um meio sorriso, só pra agradar. É aquele doce a mais no pote, aquele abraço que ampara, aquela ralhada que faz edificar. Por muitas vezes me pego olhando para as crianças brincando e penso: obrigada! Porque muito mais do que instruí-los, formá-los, e compartilhar de momentos maravilhosos, são eles que me ensinam coisas, é uma troca sem fim.

Pois o que é a maternidade senão a cessão de um amor inexplicável por outro ser, totalmente descompromissado, totalmente devocional, de uma forma desesperada mas paradoxalmente moderado a ponto de permitir que o outro ser descubra-se. A maternidade para mim inicialmente era sinônimo de dor, de abandono e de uma grande sensação de vazio, que com o passar dos anos foi se transformando magicamente num enorme sentimento, que tomou conta de mim. E hoje posso dizer seguramente que não poderia viver sem meu filho, sem meus filhos.