O que mede um processo seletivo?

Apesar de ser conhecida entre as pessoas como uma pessoa de alto astral, tenho passado os dias afundada em imensa prostração. O que me faz me manter afastada das pessoas. Odeio me relacionar com pessoas de mau humor e também não gosto de dividir meu mau humor com ninguém. Prefiro cultivar ele sozinha. Tanto pela falta de grana quanto pela falta de amor próprio, não tenho ânimo nem para levantar da cama. O que infelizmente acontece todos os dias para cuidar da única coisa que tem movido meus dias: meu filho. Tento em vão disfarçar minha tristeza por não estar conseguindo emprego, porém, o que não falta são processos seletivos que tenho ido constantemente, o que só tem piorado meu humor, visto que preciso fingir que sou uma pessoa feliz, senão não consigo a vaga.

Funcionam todos dentro da mesma métrica. Você envia o curriculo que não deve ser lido por ninguém, porque quando entram em contato comigo fazem as famigeradas perguntas sobre minha idade, onde moro e minha escolaridade. Os processos seletivos não têm pé nem cabeça, é preciso fazer joguinhos, falar da sua vida fracassada numa sala com mais de 20 pessoas, onde todo mundo quer mostrar uma coisa que não é: deprimente. As pessoas tentam encaixar suas parcas experiências com a vaga em questão. Muitas das vezes, vamos até lá sem saber para que vaga, ou para qual empresa, ou para onde é a vaga. Desrespeito total. Enfim, verdadeira salada.

Muitas das vezes a vaga é temporária. Fico imaginando quanto não estão lesando as empresas, fazendo processos seletivos caríssimos, contratando consultorias, para uma vaga temporária. Eu não me importo de prestar serviço temporário, mas tenho certeza que muitas pessoas preferiam um processo seletivo efetivo, e quando conhecem a rotina, o ambiente, são pra trás e tudo se perde. Penso que para uma vaga temporária, a seleção devia ser um laboratório no local onde a pessoa vai trabalhar, pra ver se é isso mesmo que a pessoa quer.

Mais deprimente são os selecionadores com pranchetas, anotando coisas da sua vida, medindo sua personalidade com uma régua imaginária, atestando seu caráter e sua capacidade em 5 minutos de palavras desesperadas em busca de uma oportunidade. Pelo modo de vestir de algumas pessoas, ou pelo modo de falar, percebo que estão tão desesperadas quanto eu. Demoram em média 15 dias para retornarem um email que entre outras coisas quer dizer que sua capacidade é limitada, mas na verdade, vem maquiado num: “você não se encaixa no perfil”.

Tenho vontade de fazer um curso de RH para saber no que se baseiam as avaliações que são feitas. O teste das setas eu já fiz um zilhão de vezes, já sei onde estão todos, posso fazer de olhos fechados, já fiz tantas redações, que juntando todas, eu poderia publicar um livro. Realmente eu devo estar buscando no lugar errado. O que o teste das setas quer dizer? Que você vai focar 100% no trabalho e não vai acessar o messenger do trabalho? Faça-me o favor! Hoje qualquer celular tem acesso ao twitter.

Quando pergunto porque nã tenho perfil pra vaga x, é porque meu salário anterior era muito alto, mas numa função de salário antigo eu preciso saber inglês e ser formada. Pensei em jogar fora minha carteira de trabalho e procurar uma vaga de auxiliar de serviços gerais, mas como tenho nivel superior incompleto, não encaixo no perfil. Sinceramente, isso é desanimador!

Não consigo voltar para a faculdade, porque não tenho emprgo, mas se não estou estudando, o emprego não pode ser meu. Dilema infeliz de uma balzaquiana cheia de contas, refém da sua própria casa, pois, como vou sair de casa sem grana?

 

Anúncios

Um pensamento sobre “O que mede um processo seletivo?

  1. Engraçado como nosso emprego nos define, o se quer que nos defina. Logo depois do nome, dizemos nossa profissão, na maioria das vezes… oi, sou Rafael, professor de literatura. Mas acredito que “otimista incorrigível e anarquista” são características que me definem muito mais. Mesmo assim, é a nossa carreira que alí está, impressa nos nossos rostos. Fico me perguntando por quê… Assunto para outro post, talvez.
    Mas sendo por que for, a falta de emprego não é só a violentíssima falta de grana, mas uma verdadeira crise de identidade até mesmo para as personalidades mais fortes. Não temos, sem o emprego, a resposta aquela pergunta boba, porém presente deste a infância: o que tu vai ser quando crescer. Quanto tempo, energia e dinheiro investimos para responder a isso?
    Não quero entrar no mérito no quão importante é ter uma ocupação: sinto que não, mas não existem argumentos racionais que ocupem certos vazios.
    (espero que esteja me fazendo entender :P)
    Faz uns 4 meses que não dou aula… E eu sou um professor. Só não estou professor atualmente… Não sou um recepcionista de hospital, embora isso pague as contas.

    De fato, não existe nada menos racional do que processos seletivos, principalmente se falarmos de concursos públicos: uma prova de 25 perguntas que prova se tu teve ensino particular ou sorte de revisar a bibliografia exatamente sobre o que caiu no exame. Você sabe gramática? Meus parabéns, você é nosso novo telefonista, mecânico, motorista, wharever…
    Da próxima vez que eu tiver que escolher um animal em uma seleção, enlouqueço. Vou encolher cavalo de sete de setembro… fala sério…

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s