Ídolo Adolescente e o trem

Viajar de trem é uma das coisas que mais fiz esse ano. Viajar de trem é a sina do pobre, é democrático, é onde a massa se reúne, é uma marca carioca. A Central do Brasil, que já foi até tema de filme, é um local cotidiano pra mim, uma extensão da minha casa. Passo por lá duas vezes por dia, faça chuva ou sol. Mas às vezes vou de ônibus, só pra variar.

Descobri que tenho muito a dizer sobre essas viagens de trem, cada dia uma aventura, um papo diferente, uma personagem diferente.

Pois é, então vamos lá:

Quando eu era pré-adolescente eu tinha uma amiga que venerava um casal de irmãos que tinha aqui perto, eles eram os New Kids on the Block da gente. A gente ficava na janela vendo eles voltarem da escola, queria ir nas festas que eles iam e tal. Eu tenho o péssimo costume de acompanhar a vida das pessoas e por achar que as conheço, eu as cumprimento como velhas amigas.

Cheguei na estação e fui pra plataforma do parador, porque eu prefiro chegar em casa mais tarde e cheirosinha do que chegar cedo e cheirando a macaco. (Os trens paradores tem ar-condicionado, na sua maioria). Daqui a pouco, estava eu no meio da minha cantoria solitária quando de repente quem eu vejo: Ele mesmo, o meu ídolo adolescente!

– oi!

– oi!

Uau, era ele mesmo em carne e osso, uia e mais carne que osso! Só que ele não tinha mais graça, aquela graça toda de um tempão atrás. Ele tava normal, assim como eu e você. Normalzim, sem graça!

Mas aí naquela coisa toda de entrar no trem, sair correndo, empurrando todo mundo pra pegar um lugar… ele sentou, eu não sentei. Em protesto eu, com a maior cara de pau falei: – Deixa eu apoiar minha bolsa aqui! E coloquei minha bolsa no colo dele, sem cerimônia, como se a gente fosse íntimo de um tempão. Só que era a primeira vez que eu tava trocando mais que duas palavras com ele. Mas eu nem me emocionei, né. Eu tava em pé e ele sentado! Aff! Tava calor, meu desodorante vencendo, o trem que veio não tinha ar. Saco! Tentei dramatizar: fiquei mudando de pé toda hora, depois eu já não tava mais, eu tava era com o pé doendo mesmo. Aí ele ficou consternado e perguntou se eu queria sentar, e eu ogulhosa disse não, obrigada! Mas eu queria!

Fiquei prestando atenção na conversa do pessoal do trem e esqueci o bonitão lá sentado. Cochilei em pé. Acordei e opa! Ele ainda tava ali! Fiquei olhando pra ele…entrei no assunto do pessoal do lado…ele entrou na conversa. Na 17ª estação (moro à 24 estações do Centro da Cidade – longe pra dedel) eu sentei do lado dele (finalmente) e ficamos conversando. Filhos, famíilia, trabalho, pessoas…uma pessoa normal.

Meu ídolo era nada mais nada menos que uma pessoa como eu. Simplinho. Fiquei passada. Mas ele é super gente fina, e agora é meu companeiro de trem!

Anúncios

Um pensamento sobre “Ídolo Adolescente e o trem

  1. Pingback: New Kids on The Block – Um novo passo « Drops da Dani

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s